domingo, 23 de maio de 2010

DIVINDADE HUMANA

Antes que o mundo (universo) fosse mundo,

O Pai gera o Filho;
O Filho se entrega ao Pai;
O Pai se alimenta do Amor do Filho;
O Filho Renasce no Pai;
O Pai e o Filho são um!
A Vida está Neles!

O ponto mais chocante do Caminho é a afirmação de que, quando nos ligamos a Cristo, podemos nos tornar "filhos de Deus". Alguém pergunta: "Mas já não somos filhos de Deus? A paternidade de Deus não é uma das idéias principais do Caminho?" Bem, em certo sentido não há dúvida de que já somos filhos de Deus. Ou seja, Deus nos trouxe à existência, nos ama e cuida de nós, como um pai. Mas, quando a Bíblia fala que podemos "nos tornar" filhos de Deus, obviamente quer dar a entender algo diferente. E isso nos leva para o próprio coração da Teologia.



Um dos credos diz que Cristo é o Filho de Deus "gerado, não criado"; e acrescenta: "Gerado pelo Pai antes de todos os mundos." Por favor, ponha na sua cabeça que isto não tem nada que ver com o fato de que, quando Cristo nasceu na terra como homem, foi filho de uma virgem. Não estamos falando aqui do nascimento virginal, mas de algo que aconteceu antes que a natureza fosse criada, antes que o próprio tempo existisse. "Antes de todos os mundos" Cristo é gerado, não criado. O que isso significa?

A diferença é a seguinte: na geração, o que foi gerado é da mesma espécie que o gerador. Um homem gera bebês humanos, um castor gera castorzinhos e um pássaro gera ovos de onde sairão outros passarinhos. Mas, quando fazemos algo, esse algo é de uma espécie diferente. Um pássaro faz um ninho, um castor constrói uma represa, um homem faz um aparelho de rádio - ou talvez algo um pouco mais parecido consigo mesmo que um rádio: uma estátua, por exemplo. Se for um escultor habilidoso, sua estátua se parecerá muito com um homem. Mas é claro que não será um homem de verdade; terá somente a aparência. Não poderá pensar nem respirar. Não tem vida.

O que Deus gera é Deus, assim como o que o homem gera é homem. O que Deus cria não é Deus, assim como o que o homem faz não é homem. É por isso que os homens não são filhos de Deus no mesmo sentido em que Cristo o é. Podem se parecer com Deus em certos aspectos, mas não são coisas da mesma espécie. Os homens são mais semelhantes a estátuas ou quadros de Deus.

Mas quando recebemos a nova natureza, personificada em Cristo e planificada antes da fundação do mundo, sendo esta a própria fundação e trono da criação, nossa mente da um click, e neste momento nascemos do Espírito, tornamo-nos cooparticipante da natureza divina. Quando enxergamos o caminho de Cristo em nosso caminho, fundimo-nos com o divino e podemos dizer EU SOU.

Todo o poder da divindade presente em Jesus está neste ultimo parágrafo, mas não basta ler, temos que viver, experimentar, enfim SER. Não é tarefa fácil... Nossa mente foi condicionada pela religião a enxergar o mundo fora de Deus, colocamos Deus lá longe, num céu, como um velho barbudo sentado num trono, um expectador juiz, um déspota desprovido de vida. Eu convido você a participar de um caminho diferente. De crer num Deus, que como um pai, deseja que seus filhos sejam como Ele, mas respeitando sua identidade própria.

Texto para ler, refletir e ruminar:

João 10:22 - 42 (Atenção especial a partir do versículo 34)