sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

O AMOR RESOLVE



...VALEU A PENA...

Há exatamente vinte e cinco anos eu estava diante de meu pai e minha mãe. Eles estavam sentados num sofazinho verde, que existe agora só em memória, lá em Goiânia. Um com o olhar vazio e triste outro com lágrimas a escorrer. E eu estava mais uma vez ouvindo meus pais brigarem. Quem já viveu isso, quando criança, sabe o quanto é ruim e perturbador você ouvir as pessoas que você mais ama, brigarem e serem como inimigos um do outro. Faz até você duvidar da perfeição divina.

Neste dia, 25 de fevereiro de 1991, uma segunda-feira, Jesus o maestro dos consertos e dos concertos fez um arranjo musical e reparo único que fui honrado em participar. Ele me usou de forma consciente, na vida de meus pais. Meus pais não sabem, mas agora vão saber. Sempre que os ouvia brigar, eu orava, as vezes de joelhos, as vezes em voz alta, as vezes em finais de semanas inteiros, pedindo que aquela tortura acabasse e acabasse bem. Deus! Como eram ruins aqueles Domingos. Uma criança, nunca quer que o que Deus uniu acabe.
E um dia o Deus, de Abraão, Isaque e Jacó me preparou usando uma professora, a professora Neuza. Eu tinha aulas particulares com ela e ela me ensinou uma oração, a oração do AMOR. Hoje eu sei que não era uma oração comum, nem sei se podemos falar que era uma oração, mas um dos mais emblemáticos textos de Paulo, Coríntios 13. No final vou colocar sua transcrição Bíblica. Eu aprendi muito com essa professora. Por exemplo, que perfeito só Deus, se ela ver este texto, acho que lembrará, mas isso é uma outra história...
Continuando... Munido desta oração eu comecei a guerra. Eu orava todos os dias, tanto que até decorei de coração esse trecho Bíblico. E Deus no momento certo me trouxe a memória, no dia 25 de fevereiro de 1991, que o Amor, não é um sentimento, embora gere sentimentos. Ele é muito mais. É um Caminho, atitude e mandamento... E foram essas palavras que saíram da minha boca.
Quem viu de fora achou que estava brigando com meus pais. Sim eu gritei, mas Deus ouviu (e isso que importa) como uma linda sinfonia! Eu agi, eu caminhei e obedeci. Deus do céu veio e fez eu usar todo meu jeito de criança como adulto para falar sério com meus pais. E de certa forma eu falava com Deus também.
Existe uma diferença entre murmurar e falar sério. O murmúrio é passivo. O murmúrio é vazio. O murmúrio é desobediente. É birra de criança. E murmurar não resolve nada. E o que falei resolveu... E VALEU A PENA. Valeu a pena por que continua... E naquele dia deixei as coisas de menino para trás e fui homem! Aquilo que não é eterno é eternamente inútil. Eu agradeço a Deus por essa oportunidade de ser usado por Ele, apesar de mim, de meus pais e de minha imperfeição.
Obrigada professora, por me ensinar muitas coisas, mas a que mais me marcou foi a que resolveu. Resolveu minha família. O Amor, não amor falso “Made in Paraguai” pregado pelo mundo. O Amor de Deus traz paz verdadeira. E mesmo que na prova de português não tenha tirado 10,0 depois de várias aulas particulares. O meu verdadeiro problema foi resolvido. Meu 8,5 no boletim valeu a pena, não pela nota, mas por uma lição em particular que me ensinou a trilhar no Caminho do amor, afinal perfeito só Deus! E pelos 38 anos de casados de meus pais. O AMOR RESOLVE! O AMOR NUNCA FALHA! Continue a leitura, pelas palavras de minha mãe... 


...TRINTA E OITO ANOS SIM...
“Trinta e oito anos de casados, li outro dia que hoje os casamentos não duram porque com a modernidade tornou mais fácil, trocar, descartar que consertar. Consertar dá trabalho, dói, mas tem um gostinho de Vitória, hoje o coração não está mais para grandes emoções, tipo furacão, hoje a brisa suave é tão gostosa, ver TV de mãos dadas procurar a mão do outro embaixo do travesseiro e apertar e sentir estamos aqui juntos, fingir estar dormindo quando os filhos chegam só para abri os olhos junto e dizer papai e mamãe está aqui, rsrsrsrs.
Orar de mãos dadas todas manhãs valeu a pena, valeu a pena o perdão a renúncia, valeu a pena, recomeçar tudo, quando tudo parecia não ter mais solução. Consertar vale a pena principalmente quando o autor do conserto é Deus. Quando tudo parece desmoronar, sentimos que não estamos só, cordão de três dobras não arrebenta fácil. Jesus é a liga, o amálgama do conserto.
Trinta e oito anos muitas vezes trincou, rachou, mas o Mestre do conserto juntava tudo, passava o bálsamo de Gileade, e, tudo novo de novo, novo começo, novo conserto. Foram assim os trinta e oito anos, e será até o fim porque temos a promessa que Aquele que começou a boa obra vai terminar até a volta de Cristo Jesus.
As muitas águas não puderam apagar o nosso amor, não somos daqueles que retrocedem. Nós, porém, não somos daqueles que recuam para a perdição, mas daqueles que creem para a conservação da alma. (Hebreus: 10. 39) Segundo a Bíblia o amor é uma decisão, atitude e mandamento... e nós decidimos ir até o fim. ”
 Pastora Laís Rocha, minha mãe!

O CAMINHO SOBRE MODO EXCELENTE

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;
Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.
1 Coríntios 13:1-13