terça-feira, 10 de junho de 2014

Você só dá aulas?

Sou professor com o maior orgulho, pois fazer uma pessoa caminhar por novos horizontes, sem medo, e descobrir novos sentidos para sua vida através do conhecimento é revigorante e único. Só quem é professor sabe. O que me deixa triste é ver cada vez mais as pessoas me perguntando “se só dou aulas”. Quando ouço esta aberração, fico quieto, pois sei que esta visão limitada sobre a função de um professor é fruto de um processo retrógrado e que atinge vorazmente o sistema educacional brasileiro. A pergunta deveria ser invertida: “por qual motivo você compromete a qualidade das suas aulas com outro trabalho?”. Infelizmente o Brasil valoriza mais o produto do que o processo; o formado do que o formador; o que você aprende do que a pessoa que te ensina. O ensino (em todos os níveis, seja público ou privado) atende o mercado de trabalho ao invés de atender o pleno conhecimento. O professor, pela visão do Estado (ou do dono da escola), deve ser o responsável pela formação de profissionais e pela qualificação da mão-de-obra. Cadê o professor que desperta o questionamento em seus alunos, visando a construção de cidadãos de bem? Desta forma, como o produto final é o mais importante para atender interesses pré-estabelecidos, o professor é desvalorizado, a ponto de virar um “bico” e renda extra para muitos outros profissionais. E assim, como todo mundo quer ganhar dinheiro, ser professor não é o melhor caminho a seguir, por ser sinônimo de instabilidade e de salários baixos.  Não posso deixar de citar a cereja do bolo: as péssimas condições de trabalho, com escolas públicas sucateadas, falta de incentivos para continuar estudando e uma atmosfera que não propicia um bom desenvolvimento do repasse de conhecimento. São tantos fatores que conspiram contra o professor face a muitas promessas de melhorias… que nenhuma delas será cumprida enquanto a escola atender apenas os anseios do mercado de trabalho. Hoje me sinto muito feliz por ser professor e poder comemorar isto, mas triste pelas condições que vários colegas Brasil afora enfrentam todos os dias. Sou um privilegiado neste quesito, pois não enfrento problemas semelhantes aos que seguidamente a imprensa noticia e alguns colegas relatam, porém nunca abaixarei minha cabeça para o desdém dos governos para com a educação brasileira. Ser professor é algo mais que uma profissão, é um modo de enxergar a vida. O sorriso de um aluno por atingir os seus objetivos e agradecer pelo ensinamento ameniza quaisquer problemas enfrentados. É por isto que “só dou aulas”. Fazer o outro feliz e torná-lo um cidadão melhor, através da sua capacidade de pensar, é mais que o suficiente.
Ps: fica aqui a minha homenagem para todos os professores que tive em minha vida. Sem eles, não conseguiria ser o cidadão questionador que sou atualmente e nem ter a formação que possuo.
Autor: Um professor que só é um professor!