sexta-feira, 20 de junho de 2014

NO PORÃO DA ALMA

NO PORÃO DA ALMA
Fruto Sagrado 


"Sei que existe uma parte de mim. Que não conheço e nenhum mortal conhecerá! No porão da minha alma. Um monstro a minha imagem e semelhança. Sozinho não consigo controlar. Correr daqui, Correr pra lá. É querer se enganar. Na hora que a gente dá bobeira. O Pit Bull sai da coleira. E começa a detonar. O que eu quero fazer não faço. E o que eu faço não é o que eu quero fazer! É inútil me esconder, eu sei. Atrás do vício, do dinheiro ou da religião. Só que sozinho não consigo controlar. Esse monstro a minha imagem, a minha semelhança. Eu tento resistir, tento encarar. Tento sempre com medo dele dominar. Quem terá o poder pra me livrar? Eu tento resistir, tento encarar. Tento sempre com medo dele dominar. Quem terá o poder pra me livrar? O que eu quero fazer não faço. E o que eu faço não é o que eu quero fazer! No profundo da escuridão da alma habita um pesadelo, desespero. Um monstro dentro de mim mesmo me assola o dia inteiro. Mas prossigo na luta contra meu inimigo interior. Vivendo o dia-a-dia de desespero, medo e de terror. Atitude distorcida atrás da hipocrisia. Dando ouvido à voz subliminar da apostasia. Consequência da falta de consciência, confira na sequência. Cidades inteiras arrasadas pela ira. O monstro foi liberto, o cativeiro aberto. Egoísmo, capitalismo, ambição pelo dinheiro. Fanatismo destruindo vidas, ilusão sincera. Atolados no porão da alma, verdadeira sequela. Assassinato, atentado, miséria, ameaça de guerra. O mundo se desespera! Mas é demais saber. Que não importa como estou. Tudo que sou tudo te dou. O maior dos milagres começou. Você me chama de meu filho. E me da forças pra mudar, forças pra vencer. Forças pra lutar e pra vencer. Só Jesus tem o poder pra me livrar. Do que guardo no porão da minha alma. Você é a causa do mal! O princípio de tudo. O motivo do caos. Que você tanto odeia!"

"Sabemos que a lei é espiritual; eu, contudo, não o sou, pois fui vendido como escravo ao pecado. Não entendo o que faço. Pois não faço o que desejo, mas o que odeio. E, se faço o que não desejo, admito que a lei é boa. Neste caso, não sou mais eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim. Sei que nada de bom habita em mim, isto é, em minha carne. Porque tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo. Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo. Ora, se faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim. Assim, encontro esta lei que atua em mim: Quando quero fazer o bem, o mal está junto a mim. Pois, no íntimo do meu ser tenho prazer na lei de Deus; mas vejo outra lei atuando nos membros do meu corpo, guerreando contra a lei da minha mente, tornando-me prisioneiro da lei do pecado que atua em meus membros. Miserável homem eu que sou! Quem me libertará do corpo sujeito a esta morte? Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor! De modo que, com a mente, eu próprio sou escravo da lei de Deus; mas, com a carne, da lei do pecado." - Romanos 7:14-25 (Tradução - Nova Versão Internacional)